Távola “Porteirinha” da Ordem dos Escudeiros é fundada e instalada em MG

Publicado em 10/08/2018 e alterado em 11/08/2018 | Categorias: Sem categoria | Publicado por: 90237

Certa vez, disse Ayrton Senna: “Se a gente quiser modificar alguma coisa, é pelas crianças que devemos começar!”. E é compartilhando desta visão que, no último dia 16 de junho, o Capítulo “Porteirinha” n.º 507 da Ordem DeMolay para o Brasil, procedeu à instalação de mais um importante marco na família maçônica da cidade homônima, localizada ao norte do Estado de Minas Gerais. Trata-se da Távola “Porteirinha” n.º 164 da Ordem dos Escudeiros da Távola Redonda.

A Cerimônia de Instalação, na qual 11 escudeiros foram alistados, aconteceu nas dependências da A.R.L.S. “União e Trabalho” n.º 2.129, do Grande Oriente do Brasil – Minas Gerais (GOB-MG). Na ocasião, os meninos apresentaram uma belíssima homenagem às mães, que emocionou os mais de 100 convidados presentes.

Ver as crianças trabalhando em atos tão nobres de benevolência e, ao mesmo tempo, lapidando seu futuro para tornarem-se verdadeiros líderes é algo que nos enche de orgulho”, relata o Irmão Gustavo Henrique Martins, Mestre Conselheiro do Capítulo que patrocina a Távola.

Após a primeira Reunião, os Escudeiros uniram suas forças com os Irmãos do Capítulo patrocinador e participaram, juntos, de uma filantropia. “Apesar de ainda estarem um pouco tímidos, os meninos se saíram muito bem na primeira reunião. Fizeram todos os cargos perfeitamente e demonstraram grande interesse para com a Távola”, conta o Irmão Tércio Felipe Mendes, Nobre Cavaleiro empossado da Távola.

Durante o evento, houve também a posse da 1º Gestão Administrativa da Távola, que ficou sendo composta pelo Irmão Antônio Henrique Cunha Rodrigues, como Mestre Escudeiro e os Irmãos Erick Renan Lopes e Pedro Jorge Cordeiro Amorim, como Primeiro e Segundo Escudeiros, respectivamente.

Para o Tio Thales Henrique Rodrigues, pai do Irmão Mestre Escudeiro, a Távola é hoje, de extrema importância para o desenvolvimento das crianças. “Nessa idade, eles estão mudando rápido, sobretudo psicologicamente. Sendo Escudeiro, a criança conseguirá desenvolver noções de liderança, como a fala em público e a tomada de decisões”, menciona. “Eles estão se preparando para tornarem-se cidadãos e patriotas, de bons costumes, além de jovens dedicados à família e a filantropia, mantendo-se longe de más influências e preparando-se para serem também jovens DeMolays”, conclui orgulhoso, Tio Thales.

O Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil reconhece a importância do Escudeiro na prática da Ordem DeMolay e, por isso, celebra junto ao Capítulo essa grande conquista: a expansão a Ordem dos Escudeiros da Távola Redonda!  Eles são o nosso futuro, e ampará-los é o nosso dever!