Escola Estadual modifica seu nome em homenagem ao DeMolay Felipe Rocha

Publicado em 18/06/2018 e alterado em 13/07/2018 | Categorias: Sem categoria | Publicado por: 90237

A Escola Estadual Jardim Flamboyans, na Zona Leste de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, está prestes a mudar de nome. Dentro de pelo menos 60 dias esta instituição de ensino receberá o nome de um grande membro da Ordem DeMolay iniciado no Capítulo “Estrella D’ Oeste” n.º 036, devido ao grande legado de filantropia que deixou nesta cidade. O projeto saiu no Diário Oficial em 13 de abril e encontra-se na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, em sua fase final de burocracia, na Secretaria de Comissão e Cultura. Faltam poucos dias para que o nome do saudoso Irmão DeMolay Felipe Gui Rocha seja homenageado e totalmente eternizado nos corações dos moradores deste município, devido ao amor irrestrito de ajudar ao próximo.

A sugestão da mudança de nome foi por causa do projeto filantrópico chamado Abrace uma Escola, no qual, esta instituição de ensino, no bairro do Jardins Flamboyans, que atende cerca de 800 alunos de 6 a 17 anos, fora a primeira a ser escolhida, recebendo por meio desta campanha mais de mil obras paradidáticas do Capítulo “Estrella D’ Oeste” n.º 036 da Ordem DeMolay para o Brasil. Graças a essa doação, esta escola pode manter o projeto de leitura semanal.  “Foi muito importante receber essas doações, nós temos um projeto de leitura semanal para incentivar os alunos à prática da leitura. Se não tivéssemos essas doações seria muito difícil manter esse projeto. A leitura é a base de tudo”, explica a Diretora Geral Maria Tereza de Lima.

Para esse sonho se tornar realidade, a escola também se mobilizou, recolhendo mais de 400 assinaturas, onde também juntou toda a documentação necessária, enviando em seguida para as respectivas autoridades.

 

O DeMolay Felipe Gui Rocha
O saudoso Irmão Felipe Gui Rocha iniciou na Ordem DeMolay em 21/05/2011; era filho único do empresário Tio Gustavo Penha Rocha e da Tia Roselaine Gui. Seu avô é o Maçom Francisco Fernando Rocha, membro da A.R.L.S. “Pureza, Luz e Verdade” n.º 2942, Oriente de Ribeirão Preto, e filiada ao Grande Oriente de São Paulo (GOSP/GOB). Este sempre o acompanhava nessas ações filantrópicas, onde participou constantemente do Conselho Consultivo e foi também Oficial Executivo da 9ª Região Administrativa do Grande Capítulo do Estado de São Paulo.

A Ordem DeMolay foi para este jovem o amor à primeira vista. Esta instituição é uma entidade paramaçônica, discreta visando princípios filosóficos, fraternais e filantrópicos para jovens do sexo masculino com idade compreendida entre os 12 e os 21 anos incompletos, seguindo sempre as Virtudes do Amor Filial, Reverência Pelas Coisas Sagradas, Cortesia, Companheirismo, Pureza, Fidelidade e Patriotismo.

Desde sua entrada à Ordem DeMolay, aos 12 anos, o saudoso Irmão Felipe Gui Rocha se destacava e, com isso, rapidamente chegou a ocupar o cargo de Mestre Conselheiro na 61ª gestão do Capítulo “Estrela D’ Oeste” n.º 036. Sempre gostou de ajudar ao próximo. Natural de Ribeirão Preto, interior de São Paulo, estava cursando a faculdade de Engenharia de Produção na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Uberaba/MG.

Sua partida e seu legado 
Faleceu cedo, aos 19 anos, num acidente de carro, no dia 30/07/2017, na rodovia MG 050 KM 272 em Piumihi/MG. No carro, também estava o amigo e Irmão DeMolay Raul Ferraz, criador de um aplicativo para agendamento de consultas mais baratas. Ambos estavam em busca de parcerias. O amigo também morreu.

Falar de como era o Fê na Ordem DeMolay é passível da escritura de um livro. Sem dúvida, um líder a frente dos demais. Um Irmão cheio de ideias fantásticas e com o poder de criatividade para fazer aquilo que almejava acontecer. Sempre engajado nos postos de liderança desta Ordem, interessado em todos os assuntos e extremamente participativo”, menciona o amigo e Irmão Reno Montenegro Rodrigues Bezerra, 20, membro do Capítulo “Responsabilidade e Saber” n.º 431 da Ordem DeMolay para o Brasil, da cidade de Itápolis/SP.

A primeira filantropia liderada por Felipe Gui Rocha foi o Arrastão da Solidariedade, onde essas ações eram feitas nos bairros de Ribeirão Preto. O primeiro bairro a receber a filantropia foi a Vila Virgínia, em seguia o Jardim Dependência e no Campos Eliseos.  “Eu e o meu neto tivemos a ideia de procurar o supermercado Savegnago de Ribeirão Preto, que conta hoje com 12 lojas só na cidade de Ribeirão Preto. Procuramos o dono, onde fizemos
uma reunião e propomos a ele fazer o Arrastão da Solidariedade, sempre beneficiando três entidades que necessitavam de ajuda e apoio. Fazíamos a distribuição da equipe, chegando a ter 55 pessoas envolvidas neste trabalho na 61ª gestão, onde Felipe Gui Rocha esteve como Mestre Conselheiro. Foi a maior arrecadação, com 7.480kg de alimentos não perecíveis“, nos conta o Tio Francisco Rocha, avô de Felipe.

O Irmão de Ordem e amigo Marcos Vinicius Lemos Zulim, 17 anos, membro do Capítulo “Estrella D’ Oeste” n.º 036, lembra que teve a honra de ser convidado por ele para ingressar na Ordem DeMolay, onde também teve “a sorte de estudar na mesma escola em toda a sua vida, sempre fomos grandes amigos. Eu já sabia que ele era membro da Ordem DeMolay e que ele fazia várias atividades filantrópicas, e eu sempre ficava com vontade de participar dessas ações, de saber como era essa Ordem. Até que um dia eu encontrei ele num clube e, do nada, ele me convidou para entrar na Ordem DeMolay; desde então me aproximei cada vez mais do Felipe. Fizemos várias viagens, vários eventos filantrópicos. Com certeza ele foi o meu melhor amigo e continua sendo. Ele disse três dias antes do acidente, ligando para me parabenizar pelo meu aniversário , que tinha um orgulho muito grande de mim, da felicidade imensa e do espaço que eu estava conquistando dentro da Ordem DeMolay. O Felipe sempre foi uma pessoa amigável com todos, uma vontade gigantesca de querer sempre fazer o bem, de ajudar ao próximo”.

A segunda ação filantrópica foi a de realizar visitas às entidades como a Casa do Vovô (instituição de repouso para idosos), localizado no bairro Ipiranga, com os jovens devidamente uniformizados, cerca de 20 DeMolays visitavam esta instituição constantemente, levando sempre para esta casa de repouso as Virtudes DeMolay.

A maior ação filantrópica que ele já fez foi em Barretos, também em São Paulo, onde se credenciou para trazer a Ribeirão Preto, sua cidade natal, o projeto Caminhada Passos que Salvam para o ano de 2014, que tem como objetivo a divulgação do diagnóstico precoce do câncer infantil, através de distribuição de informativos impressos. Com isso, resultou na busca da cura deste câncer, que no Brasil temos um índice de 50%.

Graças ao seu carisma, Felipe Gui Rocha se dedicava muito em descobrir as coisas. Construía amizades com todos, incluindo os políticos. E, com isso, numa época fez uma solicitação à Câmara Municipal para que fosse dado o nome de Jacques de Molay, Patrono da Ordem DeMolay a um logradouro público. Sem sucesso. O projeto já está em poder da família. Foi verificado então a possibilidade de ser colocado um monumento de Jacques de Molay, nessas proximidades que ainda está sendo estudado.

Felipe Gui Rocha e seu avô, o Tio Francisco Fernando Rocha, visitaram a Europa de 01 a 13 de fevereiro, onde nesse período se encontraram com o Papa Francisco. A audiência com o pontífice foi num salão, onde o Irmão Felipe apareceu no telão com a bandeira do Brasil ao dar a benção a 11 brasileiros que lá também estavam. Foram a Londres e conheceram também o local onde este Patrono desta Instituição fora queimado.

 

Hospital de Amor de Barretos

Em 2014, Felipe Gui Rocha e seu avô visitaram o Hospital de Amor de Barretos, desde então na Terceira Caminhada Passos que Salvam, pela conscientização da população para o diagnóstico precoce do câncer infantil.  A primeira caminhada começou atingindo 20 cidades, na segunda edição foi para 80 cidades, a terceira para 200 cidades e, no ano passado, na sexta edição, onde se trabalhou dobrado em homenagem ao Felipe Gui Rocha, com várias atividades atingindo mais de 500 cidades em 15 estados brasileiros. Ele trouxe também essa ideia para se popularizar em Ribeirão Preto.

A cura do câncer infantil no Brasil está em torno de 50%, enquanto nos Estados Unidos, no hospital de referência mundial dessa doença que fez um acordo com o Hospital de Amor de Barretos e um protocolo de intensões, lá tem 95% de cura.

Este é o trabalho que começamos em 2014 e que estamos dando continuidade aqui pela nossa família. Estamos dando a sequência naquilo que ele deixou”, menciona o avô.  Também nos conta que esteve recentemente, na época de Páscoa, no Hospital de Amor de Barretos juntamente com sua esposa, que continuam participando dessas atividades, porque o Felipe Gui Rocha visitava este local todos os anos, nessa época e também no Natal.

Ele visitava nessa época para trabalhar, ficar junto com as crianças no Hospital do Câncer. Ele fez também com que nós tomássemos essas decisões agora participando de tudo isso. Foi o legado. É o legado de participar de tudo e todos os eventos especiais relativos as crianças deste hospital”, comenta o avô. Está também sendo construído do lado do Hospital do Câncer de Barretos, um outro hospital que será dedicado para o transplante de medula óssea.

 

Banho Solidário

O Banho do Bem, idealizado por Felipe Gui Rocha às pessoas em situação de rua de Ribeirão Preto, iniciou em 4/11/2017, no grupo liderado pelo Venerável Mestre da Loja Patrocinadora do Capitulo Estrella D’ Oeste nº 36, pelo Tio José Luiz, já que há três anos fornecia alimentos a esses moradores, que no inicio começaram com a distribuição de 20 sopas e hoje atinge a marca de 440. Hoje é tocado pela família Rocha, seguindo o legado deixado por Felipe Gui Rocha.

Leonardo Rocha, também DeMolay, estudante de administração e empresário, hoje com 19 anos, está seguindo esse legado e lembra com carinho de Felipe, dizendo “que foram 19 anos crescendo juntos, se espelhando sempre nesse lado solidário, onde contribui ajudando ele. A ideia sempre foi dele, eu apenas o apoiava em tudo. Foi muito bom crescer com uma inspiração dessa”.

Este projeto associou-se a outros grupos filantrópicos para que juntos possam cada vez mais melhorar a dignidade da pessoa humana. O Banho Solidário tem como parceiros os grupos filantrópicos como: Resolvi Mudar, Coração Solidário, Simplesmente Amor, Anjos da Cidade, Filhos Pródigos, Mudando Vidas e Samba do Bem, Trans Brasil.

Já foram realizados cerca de 450 Banhos Solidários até o final de maio. Os moradores de rua recebem um kit para higiene e atenção especial. O projeto, que antes era apenas um banho, conta hoje com doações de roupas, corte de cabelo, apoio psicológico, higiene bucal, alguns cuidados básicos de enfermagem e distribuição de comidas.

O Projeto Banho Solidário foi convidado já por três vezes pela igreja católica onde para participar do Café da Manhã do Domingo de Ramos, em todas as frentes desta ação filantrópica inclusive na organização musical.  Também foi convidado a participar através do Grupo Filantrópico “Trans Brasil” da arrecadação de alimentos que rendeu 1.540 kg distribuídos para instituições carentes. Em parceria também com outro Grupo Filantrópico “Resolvi Mudar”, o Banho Solidário também distribuiu quase uma tonelada de alimentos a outras instituições com essa mesma carência. O próximo passo será a participação na ação filantrópica do recolhimento de agasalhos promovida pelo Grupo Trans Brasil, onde cerca de 40% das arrecadações desta ação serão destinadas ao Banho Solidário.