Ordem DeMolay é tema de Trabalho de Conclusão de Curso

Publicado em 31/03/2017 | Categorias: Institucionais, SCODB | Publicado por: 44297

Licenciado em História, Vitor Lhamas Lembi escolheu a Ordem DeMolay como objeto de sua monografia. A Comissão Nacional de Comunicação conversou um pouco com ele, e conta mais na matéria:

Vitor Lhamas é formado em História pela Universidade Anhanguera, do estado de São Paulo. Com 24 anos, ele mora em Tupã, e decidiu tratar da Ordem DeMolay, utilizando fontes bibliográficas que remetem à nossa origem e trajetória no Brasil e no Mundo. “Conheço a Ordem desde a época de escola. Além disso, eu os conhecia dos desfiles cívicos, em que os DeMolays chamavam muita atenção por conta das vestimentas; e também das campanhas filantrópicas que eles realizavam”, revela, contando como entrou em contato com a Ordem pela primeira vez.

Para Vitor, um rapaz  criado em um contexto familiar de tradição protestante, o interesse pela organização juvenil foi crescendo à medida em que conhecia mais membros, nas escolas e grupos pelos quais passou; e descobria a extensão dos seus trabalhos, promovidos pelas centenas de Capítulos espalhados pelo globo. Nas palavras dele, “a Ordem trabalha o rapaz para ser um cidadão, estar na vida como alguém melhor. Forma líderes, que participam da vida na sociedade. E a História deve registrar, quando há uma organização que faça isso”. Sendo assim, mesmo sem ter a oportunidade de ser iniciado nas fileiras, Vitor manteve a estima pela Ordem DeMolay, o que se prova pelo trabalho que ele elaborou: “Eu queria inovar, tratar de um tema ainda pouco explorado, e que fizesse sentido. Pesquisar um tema comum, todos certamente fariam”, admite ele.

“Observem o jovem (…)”: a epígrafe nas palavras de tio Frank Sherman Land é que dá o tom da monografia “Ordem DeMolay – Análise de uma fraternidade filosófica e filantrópica como ferramenta de formação cidadã na esfera civil”, que foi escrita sob a orientação do professor Devane Gonçalves. O trabalho aborda a origem, nos Estados Unidos, a expansão para o Brasil, e alguns pontos recentes de nossa história, enfatizando a relevância da atuação da Ordem para a sociedade. Por fim, Vitor conclui a obra com uma proposta de indicação temática, visando a inclusão opcional da Ordem DeMolay como objeto de estudo para o ensino fundamental, conforme o critério do professor. “É importante ressaltar que não se trata de doutrinar o aluno, mas de mostrar um tema relevante. Não é porque uma pessoa estuda sobre índios, que ela vai querer viver em aldeias, e assim por diante”; explica Vitor, sobre a sugestão prática do trabalho, que inclusive recomenda, no texto, que o professor seja crítico de maneira imparcial sobre o tema, ao incluí-lo no currículo escolar.

Para fundamentar o trabalho, do ponto de vista teórico, Vitor se valeu de dois livros importantes para os DeMolays: o icônico “Hi Dad”, de Herbert Duncan, que biografa o fundador da Ordem; e “Minha família, a Maçonaria”, que trata dos feitos de Tio Alberto Mansur, que trouxe a organização para o Brasil, sob a caneta do irmão Guilherme Santos. Ele demonstra que, deste modo, tudo surge em processo gradativo, para culminar no que a Ordem foi, noque é atualmente, e no que será, no futuro. “Mesmo que muitas pessoas não tenham apreciação pela Maçonaria e organizações afins, ainda assim é História. E o que não é? A Ordem DeMolay é um objeto acadêmico riquíssimo em detalhes, e que pode, sim, ser levado aos bancos escolares!”, conclui.