Comissão Nacional de Filantropias inicia trabalhos

Publicado em 12/09/2012 e alterado em 16/08/2013 | Categorias: Comissões | Publicado por: Corazza

Na última assembleia geral do Supremo Conselho da Ordem Demolay para o Brasil (SCODB), em julho, durante o 19º CNOD (Congresso Nacional da Ordem Demolay), um sonhou se tornou realidade. Nasceu, na ocasião, a Comissão Nacional de Filantropias (CNF), com o objetivo de iniciar um trabalho de estruturação na área de filantropia em todo o país. Pouco·tempo depois de sua criação, a comissão já iniciou seus trabalhos e tem pela frente desafios a serem superados.

A CNF é presidida pelo irmão Luiz Filipe Reinecke e conta com mais sete integrantes, sendo quatro membros e três colaboradores. Para o bom andamento das atividades, a comissão foi divida em cinco grupos de trabalhos: banco de projetos, materiais e manuais, parcerias, comunicação e balanço social. Com essa organização, a comissão pretende alcançar os seus objetivos, que não são poucos.

Read More

O primeiro desafio, de acordo com o presidente da CNF, nasceu antes da própria comissão, trata-se do Fundo Nacional de Filantropias (FNF). “Pela primeira vez teremos um fundo específico para filantropias, e temos hoje um aporte de R$ 50 mil para este fundo que tem como objetivo fomentar projetos e ações de filantropia realizados por todo o Brasil”, contextualiza Reinecke.

O Grande Mestre Nacional, Alexandre Volney Rizzi, explica que a liberação do dinheiro do fundo nacional, acaba sendo uma maneira de reverter aos capítulos, távolas e conventos, as taxas arrecadadas. “A criação do Fundo Nacional de Filantropias só foi possível graças as taxas recolhidas pelos membros regulares do SCODB. A confiança nas administrações anteriores e no trabalho desenvolvido até hoje foi o que possibilitou a criação do Fundo”, afirma Rizzi.

A comissão tem como objetivo, ainda, a aproximação da Ordem Demolay com outras organizações que realizam ações filantrópicas e tem os jovens como público alvo. “Temos claro que não é somente nós que fazemos filantropia no país, e temos uma série de entidades sérias que estão realizando ações fantásticas pelo Brasil”, afirma o presidente da CNF.

De acordo com Reinecke, a comissão planeja também desenvolver materiais e manuais para ações de filantropias, criar um banco nacional de projetos com o intuito de multiplicar as ações filantrópicas, promover integração com as demais comissões do SCODB e abrir um espaço para discussão de ideias novas. A CNF liderará ainda o processo de constituição do Balanço Social do SCODB.

“O Balanço Social é um instrumento utilizado por todas as grandes entidades e empresas com o intuito de mostrar a sociedade: quais seus objetivos, o que ela faz, quem faz parte dela, qual o impacto social, entre outros indicadores. Ele tem o formato de um relatório e servirá de grande maneira para mostrarmos a sociedade o que somos”, informa o presidente da CNF, Luiz Filipe Reinecke.

Edital

Um edital deve ser publicado pela Comissão Nacional de Filantropias, em breve. Esse será o principal acesso aos recursos do Fundo Nacional de Filantropias, segundo o presidente da CNF, por ser uma forma democrática e transparente. “Os Capítulos, Conventos, Grandes Capítulos, Távolas e Cortes regulares poderão acessar este edital apresentando projetos. O SCODB por meio da CNF ajudará por meio de recursos financeiros e suporte na execução do projeto”, afirma Reinecke.

Expectativas

Com os trabalhos da CNF caminhando, as expectativas dos irmãos ativos e seniores e dos tios envolvidos são grandes. O presidente da comissão, Luiz Filipe Reinecke, afirma estar ciente de que a mudança de cultura é demorada, mas que esse processo já está começando. “Isso não quer dizer que tenhamos que ir devagar, e sim que precisamos saber que tudo que fizermos terá um período de adaptação”, afirma.

Reinecke destaca também o papel da base na evolução dos trabalhos da comissão. “Se não tiver envolvimento da base, não terá porquê de existir. Não adianta termos ferramentas se não as utilizamos”, diz. “Temos a certeza também que o sonho, e dentro dele estão todas as nossas expectativas, só se tornará realidade se trabalharmos para isso”, complementa.

O Grande Mestre Nacional, Alexandre Volney Rizzi, destaca que está confiante no trabalho que a CNF irá realizar e deixa um recado aos demolays. “Adiram ao Fundo Nacional de Filantropias e aproveitem esse apoio que o SCODB está lhes proporcionando, e se empenhem em realizar cada vez mais eventos filantrópicos, retornando para a sociedade o que aprendemos em nossas fileiras. Tenho certeza que esse apoio será o início e o sustentáculo de novos e inovadores projetos”, finaliza Rizzi.

Texto/crédito: Maycon Corazza